Governo anuncia medidas para aliviar impactos do coronavírus

Bolsonaro e seus ministros anunciaram medidas

O presidente Jair Bolsonaro anunciou nesta quarta-feira, 18, ao lado de ministros, novas medidas contra o coronavírus.

Bolsonaro resumiu as ações que o governo tomou desde o aumento de casos do Covid-19 em todo o mundo. O presidente ressaltou que o objetivo das autoridades é alongar o prazo de contaminação da população para não sobrecarregar o sistema de saúde do País.

O presidente aproveitou para dizer que recebeu apoio incondicional por parte da Câmara e do Senado para atenuar o problema.

Entre as medidas, Bolsonaro comentou o decreto de calamidade pública que enviou para o Congresso: “Nossa intenção é garantir saúde e emprego para o povo brasileiro”, frisou.

Ainda no âmbito da Economia, Bolsonaro anunciou R$ 84 bilhões diretamente para o tratamento da população vulnerável, e R$ 60 bilhões para manutenção de emprego. O 13º salário também foi antecipado para os aposentados e pensionistas do INSS.

O governo reforçou o sistema do Bolsa Família, com a injeção de R$ 1 milhão, além do atraso do prazo de recolhimento do fundo de garantia, que vai afetar em menos R$ 30 bilhões para os cofres públicos. Medidas serão tomadas também de apoio aos trabalhadores autônomos, e o Banco do Brasil vai facilitar linha de crédito pessoal.

Produtos médicos tiveram alíquotas reduzidas a zero durante o combate ao vírus.

“Estamos em guerra”, disse o ministro da Defesa, Fernando Azevedo e Silva, ao anunciar que as Forças Armadas estarão prontas para auxiliar no combate ao vírus.

Na Infraestrutura, ações serão tomadas na aviação civil para garantir funcionamento das empresas e empregos na área.

O ministro Sergio Moro disse vai fechar fronteiras, especialmente contra Venezuela, para evitar que pacientes do país venham para o Brasil aumentando a contaminação do novo coronavírus.